17 novembro, 2005

Pulga deu um salto a Viseu e bateu com o nariz na porta de Livraria Polvo. Faliu? Fechou, dizem que o Sérgio se dedicou aos copos num bar-café junto à Sé. Ó Sérgio tem ao menos a lucidez, alternativa de devolver os livros das ed. Mortas e Black Sun ed.. Ao pessoal de Viseu que o conheça, pois é favor de evitar uma caça ao homem. As editoras independentes agradecem.

Malefícios da Democracia:

Monstro:- Foi bonito,pá, ver Fátima, na capital do nevoeiro abençoar a minha chegada
Fátima:- Estes lenços brancos, confundem-me
Sócrates:- São pra mim, adoro lenços brancos
Monstro-: conhece-te a ti mesmo, Sócrates. Tenta ser um político profissional e não um profissional da politica, porque o Monstro não dorme e a manhã de nevoeiro aproxima-se como um poema medíocre cantado às três pancadas pelo elixir da juventude.
Fátima:- Desconhecia esse amor ao Fado
Monstro:- É uma paixão secreta
Fátima:- E a Democracia, está melhor?
Monstro:- É tudo fingimento
Sócrates:- Eu sinto o que nada sinto
Monstro:- Se o povo quiser quiser não lhe faltará...
Sócrates:- Ela sabe esperar


Pablo Neruda chegou à Pulga pela mão de Rui Lage:
“Em “Crepusculário” cada ser encerra um princípio de vida sagrado e cabe ao poeta ler e descodificar essa linguagem primeva em tudo secretamente inscrita. Há como que uma transfusão entre seres vivos e os esres não vivos, entre o orgánico e o não orgánico.”
Crepusculário, de Pablo Neruda, tradução e prefácio de Rui Lage, é uma publicação Quasi, preço Pulga: 15 euros

1 comentário:

Pinto Ribeiro disse...

komo vês não ando nos copos. até nem bebo. e nem preciso que me caçem. antes de falar era bom que te informasses. independentes como eu resistem. primeiro informa-te. depois fala. também não fali. mudei. para um espaço novo. apesar dalguns em viseu. ou do meu senhorio. tenho um problema legal em tribunal com quem me disse que aqui não abria mais nada. mas abri. e que me está a reter o levantamento dos livros. "só" isso. os teus amigos em viseu não são os meus, de certeza. porque os meus sabem o que se tem passado. mas tu tens uma independente que vende no "supermercado" cá da terra. e que não gosta de independentes como eu. ou na taska dos outros ditos intelectuais. vai à página da net do jornal do centro de ontem. tens lá tudo. e eu, apesar de tanta merda, abri um café livraria. onde, assim, que puder recuperar os livros que me retiveram, ( não, não fui despejado...inventaram uma providência cautelar para me impedirem de mudar, tenho recurso em tribunal...), vou vender livros e devolver-te os teus. devias saber. mas não sabes. o que é REALMENTE ser independente. em viseu.